Propostas de atividades de leitura com “A Aldeia do Arroz”

Propostas de atividades de leitura com “A Aldeia do Arroz”

Sabemos que a história de um livro não se fecha ao terminar a leitura de um livro. Normalmente vive durante mais tempo na nossa memória, com a aprendizagem que fizemos, com os personagens que identificámos como próximos ou mesmo familiares e que, adquirindo características positivas ou negativas nos ensinam de certa forma quase até a viver.

Na leitura infantil isto é ainda mais acentuado, dado que dependendo das idades há a capacidade de se criar heróis que gostamos muito de seguir, ou anti-heróis que necessariamente existem para combaterem os mais da fita e que dão ao final da história a sensação mágica de que tudo está bem. Todas estas emoções e aprendizagens, até particularmente no Giggling in Bus, podem ser trabalhadas antes, durante ou após a leitura, de modo a se dar um sentido contextual mais alargado ao texto lido e a proporcionar a integração do aprendido em situações semelhantes na vida do leitor, para além do texto. Isto está muito claro particularmente para a didática com foco na abordagem comunicativa, muito relevante em especial para as aulas de língua estrangeira, mas também para outras matérias.

Sugerimos algumas atividades de pré-leitura, durante a leitura e de pós-leitura para a história A aldeia do arroz, que pais e filhos podem fazer, mas também professores e alunos no âmbito da sua atividade letiva ao ler o A aldeia do arroz.



Atividades de Pré-leitura

Estas atividades servem para introduzir o tema e aliviar a pressão da fase seguinte, a leitura do texto propriamente dita. Elas criam o contexto particularmente importante para textos maiores e para pequenos trechos proporcionam a aprendizagem de vocabulário de forma focada e objetiva.

1. Vocabulário: Encontrar palavras novas à solta no texto e falar delas antes da criança ver o texto, com visualização da palavra, tradução, em certos casos, ou desenhos, e depois fazer perguntas tipo-questionário. (Exemplo: Depois de se explicar o significado de galhofeiro, pergunta-se: Alguém que é galhofeiro é alguém que está triste ou que se ri muito?)

2. Perguntar aspetos relacionados com a cultura do arroz (onde, como, quando e impacto dessa atividade e fomentar a pesquisa de contexto : Onde se produz arroz?/ Em que regiões do país, e do mundo? / Como são essas regiões do ponto de vista meteorológico e de clima, paisagem (fazer pesquisa), e como vivem as populações, etc? ; Como se produz arroz? / De que necessitamos para produzir arroz? ; Quando é plantado o arroz? / Em que momentos do ano (pesquisar a cultura da Ásia das Monções)? / Que impacto tem na vida das populações que dependem de arroz o facto de não existir arroz/ uma plantação sustentável? ; O que se pode cozinhar com arroz? Conheces o bolo de arroz, típico das pastelarias portuguesas? E que cozinhados se fazem com arroz?

Durante a leitura

A leitura extensiva necessita de controlo. Não conseguimos saber se as fases do texto estão a ser bem-entendidas, ou se o leitor está a acompanhar o aprendido de maneira linear e constante, como se está a sentir ao ler o texto (se lê por ler e para despachar, se despacha a leitura para não fazer perguntas – timidez, aborrecimento – se lê rápido ou lentamente por pressão de tempo, se de facto conhece todas as palavras e/ou o contexto e, nesse caso, o encadeamento de aventuras está claro). Este é dos momentos mais controversos numa sala de aula, e é aqui que se focam muitas críticas muitas vezes relacionadas com o ritmo da turma se pautar pelos alunos mais fracos, por exemplo, de modo a que todos estejam no barco.

1. Pensar de antemão onde se gostaria de fazer uma paragem na leitura do livro. Em A aldeia do arroz há alguns momentos possíveis (quando a Sra. Turra conta a história de amizade com o Sr. Massa; quando o Sr. Massa conta a história da aldeia; quando a Sra. Turra lê a carta, entre outros, e sempre dependendo do leitor principal. Depois propor perguntas abrangentes sobre a leitura do trecho que acabaram de ler baseadas em perguntas começadas por Quem (quem é a personagem deste texto)? ; Como? Onde? Quando? O quê? Para onde? Acima de tudo, a pergunta-chave iniciada com Porquê?

2. Fazer desenhos sobre o texto lido, que ilustram a passagem.

3. Simplesmente pintar a versão a preto e branco do livro A aldeia do arroz, disponível em breve.

4. Escrever notas e comentários (acrescentar uma palavra nova a um glossário, por exemplo).



Pós-leitura

O cenário de pós-leitura baseia-se na expansão da compreensão do texto. Tipicamente depois da leitura numa aula, o professor pede um comentário de texto ao aluno, que pode dar a opinião, descrever a ação e / ou as personagens ou mesmo fazer uma reflexão.

Nesta fase pode-se fechar o arco iniciado com a fase de pré-leitura, criando sentido para tudo o que foi lido. Fazer com que o leitor seja consciente da história e de tudo o que os momentos de leitura lhe trouxeram.

1. Perguntas simples como: Gostaste da história? Qual é o teu personagem preferido? Qual é a tua receita preferida ou que queres experimentar? – Para que o leitor possa escolher, deixamos-lhe aqui as receitas que fazem as delícias do Joãozinho e companhia, e votos de muita diversão na cozinha.

2. Dramatização. Dado que a história do texto se presta a transmitir possíveis experiências que os meninos atravessam na escola com os seus amigos ou em casa com os seus irmãos, esta pode servir de exemplo para esses momentos: Lembras-te como é que o Sr. Massa e a Sra. Turra resolveram a sua situação?

3. Vamos escrever uma carta em que pedimos desculpa por algo que fizemos e que não estava bem. Pode ser à mãe, ao melhor amigo, ao pai, ao colega da escola.

4. Desenhar a cidade onde mora, mas sem árvores de fruto, sem legumes e hortaliças. (De onde vêm os legumes e hortaliças?). Ou um cenário futurista na Idade do Gelo. (Qual é o impacto deste tempo sobre o humor das pessoas?)

Estas são apenas algumas ideias ou sugestões para trabalhar o A aldeia do arroz. Há de certeza muito mais opções, e vamos trazer-lhe mais ideias em breve. Até lá, nós estamos a adorar a sua participação e desejamos-lhe ótimas gargalhadas neste autocarro, cheio de leituras interessantes. Keep Giggling in the Bus!