Dia de São Martinho – história e tradições

Hoje contamos a história do São Martinho e tradições de celebrações desta festa em vários países da Europa.

O que se celebra no Dia de São Martinho?

São Martinho, que se assinala anualmente dia 11 de novembro, é uma festa em honra de Martinho de Tours, que foi sepultado nessa cidade a 11 de novembro de 397. 

Reza a história que certo dia um soldado romano chamado Martinho estava a caminho da sua terra natal. O tempo estava muito frio e Martinho encontrou um mendigo que lhe pediu esmola. Martinho rasgou a sua capa ao meio e deu metade ao mendigo. De repente, o frio parou e o tempo aqueceu. Nessa mesma noite, Martinho sonhou com Jesus vestido com a metade da sua capa e que, apontando para um grupo de anjos, lhe disse: “Este aqui é Martinho, o soldado romano não batizado: cobriu-me com o seu manto”. O sonho impressionou muito o jovem soldado e na Páscoa seguinte foi batizado”.

Anos depois tornou-se padre e monge. Martinho escolheu a vida monástica e deu origem, com alguns discípulos, ao mais antigo mosteiro conhecido na Europa, em Ligugé, França. Cerca de dez anos mais tarde, os cristãos de Tours aclamaram-no como seu bispo, cargo que o santo ocupou até à sua morte.

São Martinho é patrono dos soldados, dos pobres, alfaiates, enólogos e dos objetores de consciência. É também patrono da França (onde morreu), da Hungria (onde nasceu) e de inúmeras cidades e aldeias em todo o mundo.

São Martinho na Europa

Este santo passou a sua vida a percorrer a Europa e deixou marca na história do velho continente. Existe mesmo uma grande rota cultural, certificada pelo Conselho da Europa desde 2005, em honra de São Martinho de Tours. É a Via Sancti Martini. Este conjunto de rotas liga muitas cidades europeias que fizeram parte da vida de São Martinho, e outras com um património histórico e arquitetónico em sua devoção, incluindo 14 grandes catedrais! As rotas percorrem mais de 10 países: Espanha, França, Bélgica, Países Baixos, Alemanha, Itália, Eslovénia, República Checa, Croácia, Hungria e Luxemburgo.

Fique a saber tudo no site da Via Sancti Martini.

Alemanha

Na Alemanha é comum o dia de São Martinho, Martinstag, ser assinalado com uma procissão com lanternas de papel. As crianças fazem nas escolas as suas candeias e quando começa a escurecer, vão pelas ruas cantando canções e iluminando o caminho. Na procissão vai também um São Martinho a cavalo e com um manto, para recordar a história. Outra tradição, a de comer ganso assado, está ligada à vida de São Martinho. Conta a lenda que Martinho não queria ser bispo, pois era muito modesto. Levado a Tours, Martinho escapou-se e escondeu-se numa casa, onde havia… gansos. Estes não se calaram e fizeram tal algazarra que denunciaram a sua presença. Os alemães gostam de assinalar a data comendo ganso assado, acompanhado de couve roxa e bolinhos de massa.

Itália

No norte da Itália, especialmente nas regiões agrícolas, até há poucos anos atrás, todos os contratos (de trabalho, mas também de aluguer, parceria, etc.) começavam e terminavam a 11 de novembro, a data escolhida para o trabalho nos campos ter acabado, sem que o inverno tivesse chegado. Por isso, vencidos os contratos, quem tinha casa em uso tinha que deixá-la livre no dia 11 de novembro e não era raro, naquela época, deparar-se com vagões cheios de todos os utensílios domésticos que iam de uma quinta para outra, no “San Martino”, nome que o povo dava a esta mudança. Ainda hoje, em muitos dialetos e expressões idiomáticas do norte de Itália, “fare San Martino” mantém o significado de mudar de local de trabalho ou mudar de casa. 

‘Per San Martì oca e vì’ era uma frase típica que se ouvia nessa época, já que comiam um ganso como prato típico de inverno, e bebia-se o vinho novo.  O dia 11 de novembro está simbolicamente associado à maturação do vinho novo (daí o provérbio “A San Martino ogni mosto diventa vino”, que quer dizer “No São Martinho todo o mosto se torna vinho” e é uma ocasião de encontro e celebrações em que brindam, precisamente, abrindo o vinho novo, acompanhado de castanhas.

Outra expressão italiana, “L’istà de San Martin dura tre dì e un pochetin”, que quer dizer “O verão de São Martinho dura três dias e pouco”, alude à lenda sobejamente conhecida. Depois de Martinho ter partilhado a sua capa com o mendigo, abriu um sol radioso. Segundo a tradição, até a natureza parece querer recordar este ato de generosidade e nos dias próximos à festa de São Martinho, o frio torna-se um pouco mais ameno e o sol volta a brilhar: é o curto período de outono tradicionalmente conhecido como verão de São Martinho.

Nas aldeias e cidades, de norte a sul de Itália, onde a tradição ainda está viva, encontram-se celebrações locais com festas, pratos e doces típicos e fogo de artifício, em honra de São Martinho. 

Países Baixos

Em Utrecht, onde São Martinho é o patrono da cidade, há inúmeras atividades em vários sítios, nos dias que antecedem a véspera de São Martinho, como pode espreitar neste site. Habitualmente os habitantes fazem uma visita guiada nos passos de São Martinho, há workshops de construção de lanternas de papel para as crianças, e espetáculos com música, dança e artes circenses. Na véspera de São Martinho, as crianças saem à noite de lanterna na mão, em procissão, e andam de porta em porta, a cantar canções e a pedir doces. 

Hungria

Nascido na cidade mais antiga da Hungria – Szombathely, antes conhecida por Savaria, na velha província romana Pannonia, por volta de 316, Martinho era o filho de um tribuno militar, que se mudou com a família para Itália.

Na Hungria o costume de comer ganso no dia de São Martinho está profundamente enraizado, desde a Idade Média. Há um ditado que diz “Quem não come ganso no dia de São Martinho fica com fome todo o ano”. Talvez por isso, as famílias em todo o país reúnem-se e comem ganso assado neste dia, em casa, ou no restaurante. 

Além das reuniões familiares e das especialidades de ganso e beber vinho novo, há festas populares em honra de São Martinho um pouco por toda a Hungria. Em especial na cidade de Budapeste, no Skanzen Museum in Szentendre. Danças tradicionais, especialidades gastronómicas e mulheres com vestuário tradicional húngaro arrancam penas de ganso e fazem roupa de cama e decorações artesanais, um costume do dia de São Martinho com séculos de história. 

Portugal

Em Portugal, esta é uma das celebrações que marcam o outono e a tradição manda festejar com um magusto, comendo castanhas e bebendo jeropiga ou vinho novo. No nosso país há muitos provérbios associados a este dia:

  • Por São Martinho semeia fava e linho.
  • Se o inverno não erra o caminho, tê-lo-ei pelo São Martinho.
  • Se queres pasmar o teu vizinho, lavra, sacha e esterca pelo São Martinho.
  • No dia de São Martinho, vai à adega e prova o vinho.
  • No dia de São Martinho, castanhas, pão e vinho.
  • No dia de São Martinho com duas castanhas se faz um magustinho.
  • Dia de São Martinho, fura o teu pipinho.
  • Dia de São Martinho, lume, castanhas e vinho.
  • Pelo São Martinho, todo o mosto é bom vinho.

Manda, ainda, a tradição que se mate o porco e que se plante o cebolinho. Em todo o país se celebra a data, com algumas variantes. 

Roscas de pão de trigo e nozes acompanham o prato de castanhas em Vila do Conde. Em muitas terras do Minho, a matança do porco é acompanhada por um grande magusto. A tradicional Feira da Golegã é, talvez, a mais conhecida e tem já uma longa história. Chapéus, vestuário para montar, comida tradicional e bom vinho juntam-se aos inevitáveis concursos, jogos e exibições equestres. Também no Alentejo há festas e feiras de vinho e arraiais com castanhas. Em S. Miguel, nos Açores, a festa prolonga-se por vários dias com mostras gastronómicas, artesanato, concertos e o porco no espeto. Sem esquecer a tradicional “arrematação” (ou leilão) de animais e cantorias ao desafio. 

Esteja onde estiver, aqueça-se com o calor da família, brinde com o vinho novo e saboreie umas belas castanhas nacionais, neste São Martinho!