Dia mundial do riso

Sete dias depois do Dia Mundial do Riso, cá estamos nós no Giggling in the Bus, a tentar não esquecer a sua importância. Puah! Isto, de facto, podia ser toda a verdade por trás deste post, mas não é. De facto, a semana passada, passou a correr muito, e com isso, não encontrámos o tempo suficiente para nos sentarmos e festejar aqui no site, com o título mais profundamente marcado pela gargalhada infantil, o dia 18 de janeiro assinalado internacionalmente. Mas não podia deixar de fazer menção a este dia ainda que – será que sim? – atrasada. Como todos os dias devemos dedicar 10 minutos a rir, parece que ainda vamos a tempo.

Na verdade, rir é um dos quatro pilares da alegria. Os restantes são cantar, dançar e brincar. Tudo isto se parece demais com o que queremos para os nossos miúdos Giggling. Quando rimos, operamos no hemisfério direito e tratamos, nesse lado do cérebro e no momento do riso, de fazer a gestão emocional. A educação da inteligência emocional é uma das competências mais apreciadas na idade adulta, e é um fator particularmente importante na distinção entre bons e melhores, por exemplo, gestores. Além disso, a satisfação que advém da sermos mestres de nós próprios, e de nos conhecermos é desde o grego “Conhece-te a ti mesmo” uma verdadeira vantagem, quando se cresce acordado – queria dizer consciente, mas acabei de ler o livro Sentir & Saber do António Damásio, e estou a caminhar em pantufas sobre esse conceito da consciência – para o auto-conhecimento. É que na verdade, o que Damásio diz é que estar acordado pode ser o mesmo que reconhecer os contornos de um determinado objeto ou situação, mas a consciência é um ato mais desperto do que analisar e reconhecer a sua forma, e saber ir mais além, tomar ação, sentir e agir sobre esse mesmo objeto ou situação, de forma a manipulá-los em nosso favor, no caso de Damásio, de forma a manipular a sobrevivência. De uma maneira, acho que pode chamar-se também inteligência, ou será apenas um capítulo da inteligência.

Meditação

Facto é que o riso, seguindo essa lógica do auto-conhecimento, é um momento em que, fisicamente, não se faz nada mais do que respirar, e da forma mais profunda. Sendo a respiração a base da meditação, do Pranayama, que é parte integrante do Yoga, o riso assume-se como forma de meditação, com todas as vantagens que advêm da meditação e mais algumas.

Introspeção

Traz, por isso, consigo a componente de introspecção porque ao me rio e respirar profundamente paro outros processos cognitivos e conscientes que muitas vezes podem estar na frente da realização de qualquer ação ou sentimento. Tem, assim, uma ação de mim sobre mim, mas também tem uma ação de mim sobre os outros, proporcionando, como particularmente importante no crescimento, e por exemplo, um trabalho sobre auto-estima. Se as pessoas no geral, mas muito mais as crianças, imaginam que alguém não gosta delas, o seu comportamento é influenciado. Uma vez que o riso faz cair máscaras, as pessoas na interação reconhecem-se como iguais na sua essência, com capacidade de partilhar sentimentos e de aceitar o outro que se ri e nos contagia de forma tão positiva, fazendo cair os muros entre o eu e o outro, e sem máscaras somos na base muito semelhantes. Que belo é quando o reconhecemos! Rir pode ser, por isso, uma estratégia de pausa voluntária para descontrair e recomeçar, e nesse sentido, rir ajuda-nos a trabalhar a escuta, outro aspeto fundamental no dia a dia de interação com os outros, para uma sociedade baseada na comunicação e na colaboração.

Resiliência

O riso tem também a vantagem de trabalhar a resiliência porque ao rirmos, abrimos espaço dentro de nós, fazemos uma pausa e vamos provavelmente e até sem querer, pensar numa outra solução, planear o que vamos fazer a seguir, assentar e aceitar com mais tranquilidade situações adversas.

Rir com outros ajuda-nos a criar relações porque fazemos ligações e criamos memórias positivas com outros, aquelas que naturalmente ficam armazenadas no nosso interior.

Saudável

Por último, tem vantagens ao nível da saúde física, já que aumenta os níveis de serotonina, a hormona da alegria, e baixa, por outro lado, o cortisol, a hormona que produzimos quando estamos em stress.  

Ouvi no Porto Canal um exercício interessante para nos rirmos 10 minutos por dia e foi proposto pela professora convidada de Yoga do Riso do Rir Agora.

Exercício prático

Partilho convosco o que ouvi e como fazer um dos exercícios práticos propostos.

Inspirar e expirar 

Movimentamos os braços e as mãos para dentro do peito ao inspirar e movimentamos os braços e as mãos para fora do peito ao expirar. Continuamos o mesmo movimento, mas agora ao expirarmos rimos.

Havia um outro com palmas mas não me lembro completamente da sequência. Para ver o programa Filhos e Cadilhos, pode aceder aqui.

Se conseguir hoje, ria! Nós continuamos aqui, no Giggling, que é como quem diz, a rir a toda a hora!