Educação financeira para crianças

A educação financeira começa em casa.

À medida que as crianças vão crescendo, os pais e educadores devem ir introduzindo conceitos sobre dinheiro e gestão financeira, de preferência desde tenra idade. As crianças e adolescentes podem e devem aprender desde cedo a gerir um orçamento, poupar algum dinheiro, conhecer a moeda e métodos de pagamento, saber o que é um crédito, etc.

A forma como se relacionam com o dinheiro é importante para o seu futuro financeiro. Como é que os pais lidam com o dinheiro? Que emoções revelam quando compram algo? Que impacto tem a publicidade sobre os mais pequenos? Embora seja fundamental ter literacia financeira, muitas crianças e jovens não são educados nem pelos pais nem na escola nesta matéria. 

Literacia financeira adequada a cada idade

Neste artigo damos algumas sugestões por idades, para saber como e quando introduzir conceitos relacionados com a gestão do dinheiro.

Educação financeira dos 3 aos 6 anos

Foto de Tara Winstead no Pexels

Na idade da brincadeira e da aprendizagem através da observação, é altura de ensinar os pequenos através da diversão. Ensine:

  • De onde vem o dinheiro e para que serve
  • Conhecer as moedas e notas
  • Jogar usando operações matemáticas

Faça jogos com moedas, ensinando-os a contar e a fazer trocos simples. É importante conhecerem os cêntimos e os euros, mostre as moedas e as notas e o valor inscrito em cada uma delas. Explique que o dinheiro se recebe em troca de um serviço ou trabalho prestado e que serve para comprar coisas. Leve os pequenos às compras consigo, e pague com dinheiro em vez de cartões, para que possam ver como o dinheiro é usado. 

Educação financeira dos 7 aos 10 anos

Esta é a idade ideal para lhes dar uma semanada, para começarem a fazer as suas escolhas financeiras e assumirem responsabilidade. As crianças começam a ganhar conhecimento sobre o dinheiro e têm interesse em aprender com os pais. Ensine:

  • A fazer escolhas financeiras
  • Aprender a poupar com um objetivo

Dê-lhes um objetivo de poupança a curto prazo (o porquinho mealheiro é uma excelente opção para ajudar a poupar!), seja um brinquedo que desejam muito ou uma prenda para um familiar. Abra uma conta no banco em nome da criança e explique-lhe o que faz esta instituição. Recorde aos seus filhos que se ganha dinheiro através do trabalho. Para promover o valor do trabalho e do salário, experimente incentivá-los a fazer pequenos serviços em troca de dinheiro. Porque não vender limonada ou bolinhos na banca da escola, ajudar a lavar o carro ou outras tarefas domésticas? 

Educação financeira dos 11 aos 13 anos

Nestas idades, as lições de vida e de educação financeira serão essenciais para as suas escolhas futuras. Aquilo que as crianças mais querem é serem reconhecidas como adolescentes, com opiniões e ideias próprias. Promover uma maturidade financeira e autonomia nas decisões financeiras é muito importante para o adolescente e para a família. Ensine:

  • O valor do trabalho e do dinheiro
  • A importância da poupança

Promova maior responsabilidade dando-lhes um aumento na mesada ou semanada. Lembre-se de fazer do ato de poupar uma coisa divertida e voluntária, focada em recompensas imediatas, mas também em objetivos de médio prazo. Incuta nos mais novos a necessidade de partilhar com os outros, alinhando com os valores da família. Vejam juntos o extrato bancário e aproveite para transmitir a importância de o saldo ser sempre positivo. O estilo de vida que levam está diante dos olhos dos seus filhos. Muitas vezes os colegas na escola têm coisas que os seus filhos também vão querer ter. Fale com o seu filho e estabeleça expectativas realistas. Incentive o seu filho a andar com o seu próprio dinheiro e em alguns momentos a usá-lo para pagar pequenas coisas. Explique que as compras online são feitas com dinheiro real e aproveite para falar sobre os vários métodos de pagamento (multibanco, cartão de crédito, cartão de débito, transferência bancária, paypal…).

Educação financeira dos 14 aos 16 anos

A adolescência é um período exigente e isso também deve ser tido em conta na literacia financeira. Os jovens têm um desejo de ser mais independentes e passar por novas experiências. Nesta fase os jovens devem ser ensinados a:

  • tomar boas decisões em função das atuais necessidades, objetivos de futuro e valores fundamentais da família.
  • fazer planos e ter uma estratégia de poupança para concretizá-los
  • ter uma conta bancária

É normal que os adolescentes nesta fase queiram comprar roupa, dispositivos tecnológicos ou de lazer. Procure ter conversas sobre a escola, as suas expetativas financeiras e orçamento disponível. É a altura certa para aprenderem a planear, poupar e gastar o dinheiro da sua mesada. Garanta que o valor da mesada é suficiente para cobrir as despesas básicas e mais algumas coisas adicionais, mas não tanto que o adolescente gaste de forma frívola e despreocupada. Considere a possibilidade de os seus filhos terem um trabalho em part-time nas férias, para perceberem o valor do trabalho e do salário. Experimente começar a deixá-los controlar a conta da água, da luz e do gás, e se conseguirem poupar face ao mês anterior, dê-lhes a diferença. Deve começar a consultar sua conta bancária e discutam sobre a possibilidade de usar um cartão de débito, com um teto máximo. Fale com os seus filhos sobre a importância de dar à comunidade e vejam que tipo de voluntariado gostariam de fazer.

Educação financeira dos 17 aos 18 anos

É tempo de estimular os jovens a se tornarem adultos responsáveis financeiramente e felizes com as suas decisões. Enquanto estão em casa, é importante prepará-los para a altura em que forem viver sozinhos ou com outras pessoas. Ensine:

  • como gerir as suas despesas pessoais e domésticas
  • o valor do trabalho 

Ter um trabalho em part-time ajuda os jovens a aumentar a autoestima e confiança, proporcionando-lhes experiência profissional e algum dinheiro extra. Pode encorajar o jovem a ter uma ocupação durante as férias escolares ou alguma forma de rendimento a partir de conhecimentos ou habilidades pessoais. Por exemplo, dar explicações ou aulas de música ou informática. Nesta fase os seus filhos devem começar a gerir as suas despesas pessoais e conseguir poupar para um objetivo maior: tirar a carta, um curso profissional ou universitário. É importante aprenderem a equilibrar pressões sociais e dos seus pares com a realidade financeira. Claro que queremos proporcionar as melhores experiências aos nossos filhos, mas também é importante ensiná-los a gerir as expetativas sobre o que podem ou não comprar. Procure que incorporem o pagamento direto de algumas despesas como o carregamento do telemóvel ou o passe. Com alguma maturidade financeira, a qual anda de mão dada com o empreendedorismo, pode ser a altura certa para aprenderem sobre aplicações financeiras e investimentos.

Recursos para aprender a gerir o dinheiro de forma equilibrada

Os três mealheiros

Dê à criança 3 mealheiros com que se destinam a 3 objetivos distintos: um para “GASTAR”, para colocarem o dinheiro que querem e podem gastar; um para “DOAR” para promover a generosidade da criança; e o terceiro para “POUPAR”, para ensinar a gerir o dinheiro para uma necessidade que possa surgir ou uma compra futura.  Se forem transparentes é melhor, pois assim as crianças conseguem ter uma perceção do dinheiro que amealharam.

Livros e jogos

Foto de Anete Lusina no Pexels

Há vários livros com exercícios de poupança para crianças, como o “Doutor Finanças e a Bata Mágica” ou “Pai: Ensinas-me a Poupar?“ , que tem conceitos como o dinheiro, receitas e despesas, orçamentos, direitos e deveres dos consumidores. Basta procurar numa biblioteca perto de casa ou pesquisar numa livraria online.

Formação 

Muitas escolas têm hoje programas para ajudar os alunos a aumentar as competências financeiras e adotar comportamentos financeiros adequados. O documento Referencial de Educação Financeira para a Educação Pré-Escolar, Ensino Básico, Ensino Secundário, elaborado pelo Ministério da Educação, Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e Instituto de Seguros de Portugal, serve de orientação para professores, em todos os níveis de escolaridade. Os Cadernos de Educação Financeira do 1º, 2º e 3º ciclos foram criados para apoiar os alunos e professores a trabalhar de forma lúdica e didática vários temas de educação financeira. 

Comece já a educar os seus filhos para melhorarem os seus conhecimentos e comportamentos financeiros. Se aprenderem a poupar parte do dinheiro para realizarem os seus sonhos, a doarem e a gastarem de forma consciente e equilibrada, serão certamente adultos mais felizes. 

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *